O Templo de Chiron

Atualizado: Out 4



Buscando elucidar todos os aspectos que permeiam a sua edificação, nesta primeira publicação temos o intuito de apresentar o trabalho a ser elencado neste espaço.


O Templo de Chiron é uma escola de conhecimento fundamentada nas tradições filosóficas e nos ritos iniciáticos que vieram a caracterizar o Período Helenístico e o Império Romano - como os Cultos Eleusinos e Dionisíacos, o Orfismo, o Mitraísmo, o Judaísmo, o Cristianismo, o Gnosticismo e o Hermetismo. Entre os princípios que o identificam, encontram-se - ainda - aqueles por meio dos quais a Escola Pitagórica, a Academia Platônica e a Escola de Alexandria obtiveram reconhecimento, assim como o Estoicismo e o Epicurismo, doutrinas que incentivavam a ataraxia e a aponia.



Visando explorar e validar a sabedoria compartilhada entre egípcios, fenícios, gregos, caldeus, babilônios, persas, árabes e hebreus, seu objetivo se apóia no estudo e na disseminação de disciplinas como a Astrologia, a Magia, a Alquimia, o Tarot e a Kabbalah - consolidadas a partir dos principais conceitos propagados através das Escolas de Mistérios do Antigo Egito, na pluralidade cultural estabelecida em Alexandria, na ascensão da Idade Média e durante o florescimento da Renascença.



Entre aqueles que nos instigam neste empreendimento, permitindo o registro daquilo que em tempos ancestrais - e imemoriais - se buscava praticar ante os questionamentos mundanos sobre as origens do Universo, encontram-se: Pitágoras, Platão, Bolos de Mendes; Maria, a Profetisa;Jâmblico (Iamblichus), Hipátia (Hypatia) de Alexandria, Cleópatra de Alexandria, Zósimo de Panópolis, Jābir ibn Ḥayyān (أبو موسى جابر بن حيّان), Thābit ibn Qurrah (أبو الحسن ثابت بن قرة بن مروان الصابئ الحراني), Aristóteles, Cláudio Ptolomeu (Claudius Ptolemaeus),Dorotheus de Sidon, Vettius Valens, Hephaistio de Tebas, Abū Maʿshar (أبو معشر جعفر بن محمد بن عمر البلخي), al-Qabīṣī (عبد العزيز بن عثمان أبو الصقر القبيصي), Mā Shā’ Allāh (ما شاء الله إبن أثري), Sahl ibn Bishr (سهل بن بشر), Michael Psellus, Marsilio Ficino,Giovanni Pico della Mirandola, Giordano Bruno, Michael Maier, Cornelius Agrippa, Paracelsus, John Dee e Athanasius Kircher, para citarmos apenas alguns.



Convém, ainda, salientar a consonância do Templo de Chiron para com outras correntes, como o Rosacrucianismo e o Martinismo; as escolas do Sanātana Dharma, do Budismo e do Taoísmo; os cultos xamânicos e de matriz africana (Yorùbá, Fon e Bantu); e, finalmente, o Espiritualismo sedimentado durante o século XIX, por meio do Espiritismo, da Teosofia, da Antroposofia e das diversas ordens esotéricas que se dispersaram da Europa para a América.

39 visualizações2 comentários

Posts recentes

Ver tudo