Mahashivaratri – A Grande Noite de Shiva

Celebração

O Mahāśivarātrī é um festival anual dedicado ao deus Śiva (Shiva ou Xiva) que ocorre na 13ª noite da fase escura do mês de Phālguna, entre os meses de Fevereiro e Março do Calendário Gregoriano. Sua celebração é particularmente importante para os adeptos do Shivaísmo (ou Xivaísmo).

Shiva

Ao contrário da maioria dos festivais Hindus, que são comemorados durante o dia, o Mahāśivarātrī é celebrado durante a noite e é voltado a uma atmosfera solene, incluindo práticas como a introspecção, o jejum, a meditação, o auto-estudo e o Yoga.

Durante o evento, é comum se oferecer frutas, flores e leite à deidade que o nomeia, além de se recitar mantras e orações em sua homenagem (pūjā). Seus adeptos adotam, ainda, o jāgran, a vígilia noturna, cujo propósito atenta para a “superação da escuridão e da ignorância”.

Lingam

Shiva e o néctar da imortalidade

De acordo com o professor Patrick van Lammeren, do centro de estudos de Vedanta e Sânscrito Vydia Mandir, a mitologia que envolve a ocasião se explica da seguinte maneira:

“É dito que há milhares de anos, Devas e Asuras, utilizando o rei das cobras Vāsuki e a montanha Mandara, “bateram” o oceano de leite, em busca do Amṛta, o néctar da imortalidade. Diversos objetos estranhos surgiram do oceano antes do Amṛta, dentre eles o terrível veneno Halāhala, que se espalhou por todo o universo, sufocando a todos. Ninguém era capaz de lidar com tão terrível veneno, exceto Śiva, aquele que tudo consome. Ele bebeu o veneno, livrando todo o universo de seus efeitos; contudo, ele mesmo teve um grande esforço para digeri-lo.

Amrit

Durante toda a noite os Devas permaneceram acordados, em jejum, concentrados em repetir o nome de Śiva, na esperança de que ele resistisse e eliminasse o veneno. Por fim, na manhã do dia seguinte, Śiva ergueu-se, evidenciando que havia sido bem-sucedido. Todos os Devas comemoraram, saudando aquele que, desde então, ficou conhecido como Nīlakaṇṭha, “aquele de pescoço azul”, uma vez que o veneno manchou sua garganta. Nesta grande noite, seus devotos reproduzem aquele evento, permanecendo em vigília, em jejum, cantando ‘Om Namaḥ Śivāya’”.

Namaste.